Conheça a Informant          RSS

Posts Tagged: scrum


20
May 14

Entenda de vez o papel do Product Owner no SCRUM

Informant07.05Creditar o sucesso ou o fracasso de um projeto apenas à uma pessoa pode parecer errado, ou então conveniente, mas é algo comum em equipes que utilizam scrum no desenvolvimento dos seus projetos. Isso acontece por conta de uma figura fundamental: o product owner.

O sentimento de “posse” que toma conta de muitos POs é causado por conta do poder que ele exerce sobre as decisões importantes do projeto. Ao não perceber que ele deve servir como elo entre o cliente – ou usário final – e o time, acaba colocando em risco todo o desempenho do software, gerando ferramentas inúteis e desperdiçando tempo e recursos. Para entender o papel do product owner, suas atribuições, acertos e erros, acompanhe os tópicos a seguir:

Quem é o product owner

O product owner é responsável por gerenciar o backlog do projeto. Ainda que ele tenha ajuda de outros membros do time, como arquitetos, desenvolvedores, analistas de negócio, entre outros, a decisão final precisa ser tomada por ele. Da mesma forma, nenhuma alteração ao escopo do projeto deve ser tomada sem a presença e o consentimento do product owner. É claro que isso não significa que suas decisões não possam ser questionadas, apenas que todas elas devem ser compartilhadas com ele.

O product owner pode ser o próprio cliente, mas o mais indicado é que seja alguém do próprio time com um visão global do projeto, que entenda tanto do negócio do cliente, quanto do desenvolvimento e dos processos da empresa.

O que faz e o que deveria fazer o product owner

Segundo os guias de scrum, é papel do product owner registrar e ordenar com clareza os itens de backlog do projeto, garantir que todos do time estejam cientes e entendam os itens do backlog, garantir o valor do trabalho da equipe e, por fim, perceber se o MVP está entregando o valor esperado pelo cliente e comandar as melhorias contínuas em ciclos interativos.

Mais do que isso, o product owner deve perceber que ele tem um papel duplo para o sucesso do projeto: ao mesmo tempo que acompanha o cliente através da construção do software, também mantém o time trabalhando em prol das entregas. Em resumo, 50% do tempo de um product owner deve ser gasto para entender o negócio do cliente enquanto os outros 50% devem ser gastos passando esse conhecimento para o restante do time.

O que não fazer como product owner

O papel de conectar clientes e time pode fazer com que o product owner não saiba lidar com tanto poder, se isolando em meio a tomadas de decisão. Em geral, esse comportamento é fatal para o projeto.

O ideal em projetos que possuam um product owner destacado é que se faça reuniões semanais entre cliente e equipe desenvolvimento. Ainda que haja um líder, a tendência é que a tomada de decisões seja um fardo dividido entre todos. Um indicativo dessa mudança acontece quando o product owner deixar de falar no singular – eu – e passa a utilizar o plural – nós. Ainda que pareça algo banal, é fundamental que o PO entenda que todos vencem ou falham juntos.

Você é um product owner? Trabalha para um? Conte sua experiência para nós nos comentários abaixo.


25
Oct 13

SCRUM o que é e porque você deve conhecê-lo

SCRUMO SCRUM faz parte da metodologia de desenvolvimento ágil de softwares e tem como foco a implementação de ciclos no gerenciamento de projetos. Pode ser compreendido como um framework, uma ferramenta, em que se pode utilizar várias técnicas ou processos para controlar e conhecer informações, como por exemplo o papel de cada pessoa, os eventos, regras e requisitos sobre um determinado projeto.

Apesar de surgir no contexto do desenvolvimento de software o Scrum é utilizado em outros negócios, que incluem desde a gestão pública à indústria, o que demonstra sua força. Você sabe como ele surgiu? Entende como funciona? Conheça mais sobre as origens do SCRUM e como ele funciona no dia a dia.

Agilidade para empresas contemporâneas

O manifesto ágil, lançado em 2001, tem como prioridade satisfazer o cliente por meio da entrega contínua e adiantada de software agregando valor a ele”. O documento busca destacar o aspecto incremental da produção de softwares, se contrapondo a modelos tradicionais em que as soluções são entregues sem um acompanhamento posterior. Seus autores definem 12 princípios para o desenvolvimento ágil de software e desde então equipes do todo o mundo já aderiram à prática.

Outra característica importante do método ágil é a valorização do ponto de vista do usuário final do software. Para tanto as equipes trabalham com histórias (stories) que são utilizadas para descrever elementos chave do sistema na forma de tarefas do usuário e o backlog, uma coleção das stories que serão priorizadas pelos membros do time de desenvolvimento e o cliente. Mas seu diferencial se encontra exatamente na próxima etapa que são os ciclos de produção iterativos conhecidos como sprints.

Sprints

Uma das principais diferenças do método ágil são os vários ciclos curtos de produção (sprints) que englobam tudo envolvido no projeto, desde os requerimentos à verificação e lançamento. O Scrum é a ferramenta para o controle destes processos e sua unidade básica de operação são os sprints. Normalmente estes ciclos estão representados em um quadro, também conhecido como burndown chart e determinam o tempo, em geral semanas ou meses, em que determinadas atividades devem ser realizadas.

No início dos projetos é realizada uma reunião de planejamento, também conhecida como Sprint Planning Meeting, em que são definidos os prazos, responsabilidades e relações entre as atividades de acordo com o objetivo do projeto. No caso do desenvolvimento do software este objetivo é conhecido como Product Backlog, que representa o conjunto de funcionalidades que o sistema deverá ter.

Estas atividades, ou funcionalidades, são divididas nos sprints de acordo com a prioridade determinada. Durante este período são realizados os Daily Scrum, reuniões curtas em que as pessoas apresentam o status do projeto. Ao final de cada ciclo de sprint é feita uma retrospectiva com o objetivo de identificar como ocorreu o desenvolvimento e o que deve ser otimizado no próximo ciclo.

Papéis da equipe

O SCRUM, para ser eficiente, precisa também que as pessoas das equipes desempenhem papéis estratégicos para alcançarem o objetivo final. Dentre as principais funções destaca-se o dono do projeto, ou product owner, que representa o cliente e os stakehoders. Sua principal responsabilidade é definir prioridades e garantir que a equipe agregue valor ao software durante seu desenvolvimento.

Outro importante papel tem o Scrum Master, que é o gerente do projeto e busca garantir que as regras sejam seguidas e os processos continuem conforme planejado. Para tanto, o Scrum Master protege a equipe do projeto de variações ou influências externas com o objetivo de manter o foco no planejamento.

Por fim, outra importante característica das equipes que utilizam o SCRUM é sua capacidade de entregas rápidas e constantes, além de possuírem um perfil multidisciplinar e colaborativo.

Para saber mais sobre desenvolvimento ágil, acompanhe o blog da Informant, e não esqueça de deixar suas sugestões e dúvidas nos comentários!


20
Jul 12

Por que o Scrum é melhor para a sua empresa e seus clientes?

Já faz muito tempo que as empresas investem em inovação para poder responder às constantes mudanças do mercado. Estas empresas precisam adaptar processos, de forma mais rápida, e diminuir o time-to-market de produtos, respondendo as necessidades de clientes, e assim, se mantendo competitivas no segmento de atuação. No momento em que os softwares utilizados por elas se tornam a peça chave em processos produtivos e de inovação, é quando diretores e gestores descobrem que o sucesso do negócio depende diretamente da agilidade do departamento de TI.

Nesse contexto, em que organizações precisam replanejar constantemente decisões estratégicas, reduzir custos operacionais, além de adaptar processos e serviços para poder atender clientes cada vez mais exigentes, investir em uma forma de gerenciamento de projetos mais ágil, com o Scrum, pode se tornar um diferencial competitivo fundamental. O Scrum é uma metodologia de gerenciamento de projetos, baseada no desenvolvimento iterativo e incremental de software, que beneficia empresas e clientes, basicamente, em três pontos principais:

1. Aumento do Retorno Sobre o Investimento (ROI)
O Scrum prioriza a entrega de requisitos de maior valor de negócio, ou que apresentam maior risco estratégico para a empresa. Isso significa que o dono do produto (product owner) sempre manterá uma lista priorizada (backlog), com todas as funcionalidades que deverão ser implementadas antes pelo time de desenvolvimento. Dessa forma, garantimos que tudo aquilo que for mais importante para o negócio do cliente, será desenvolvido, testado e entregue primeiro. Isso permite agregar mais valor ao negócio, em menos tempo, diminuindo custos de operação e aumentando o retorno sobre o investimento (ROI) destes projetos.

2. Mais Flexibilidade às Mudanças do Mercado
A pesquisa do PMI (Project Management Institute), realizada em 2010, com 300 grandes organizações no Brasil, colocou mudanças de escopo constantes como o segundo problema mais comum na gerência de projetos, sendo citada em mais de 70% das organizações entrevistadas. Não é incomum projetos serem concebidos e encerrados no meio da execução, por inúmeros fatores, como: mudança de mercado, reposição de concorrentes, ou mudanças de expectativas dos clientes finais. O mercado vai mudar sempre. O que faz uma empresa ser competitiva é responder rápido a estas mudanças. O Scrum, como a maioria das metodologias ágeis de desenvolvimento, incentiva o desenvolvimento incremental e as entregas parciais do produto que está sendo desenvolvido. Estas entregas (chamadas de sprints), geralmente tem duração de duas a quatro semanas, e contemplam o ciclo completo de desenvolvimento do produto, com as fases de planejamento, design, implementação e testes de aceitação de cada requisito que está sendo desenvolvido. Se o cliente mudar, se o mercado mudar, se o que ontem era tão importante hoje não fazer mais sentido, sem problemas. Podemos mudar nosso planejamento e repriorizar nosso backlog já no próximo sprint.

3. Redução do Time-to-market
Nesta mesma pesquisa, o não cumprimento de prazos é campeão entre os problemas em projetos, citado por mais de 72%, das 300 organizações pesquisadas. A maioria dos projetos é desenvolvida para criação ou melhoria de um produto ou serviço, que atende alguma necessidade identificada no mercado. Isso significa que esta necessidade de mercado tem data de validade, que geralmente é curta, pois pode se modificar, ou deixar de existir rapidamente, em questão de semanas ou dias, dependendo do segmento de negócio do cliente. Como o Scrum promove a entrega de funcionalidades completas a cada sprint, o produto vai sendo construído e entregue à medida que o projeto avança, e novas funcionalidades vão sendo disponibilizadas no mercado. Esta característica do Scrum permite que produtos sejam lançados e validados no mercado muito rapidamente, reduzindo drasticamente o time-to-market de produtos, e atendendo prazos de forma mais eficaz. Estes fatores fazem com que o Scrum já seja aplicado por empresas de diversos segmentos no Brasil, além de ser visto com bons olhos por grande parte dos de gestores, líderes e gerentes de projeto da área de TI.

Prontos para uma metodologia ágil?

Artigo redigido por Eduardo Kruger – sócio da Informant
Publicado no Portal CIO


28
Aug 10

Metodologia Ágil de Desenvolvimento: além dos sprints e post-its

Nesta última quinta-feira a Informant, representada pelo Eduardo Kruger, participou da semana da computação na Sociesc.

Kruger além de compartilhar um pouco da sua experiência com metodologias ágeis de desenvolvimento, comentou sobre o que estamos fazendo aqui na Informant e quais serão os nossos próximos passos em termos de metodologia.

Confira a palestra na Integra:


25
Aug 10

Informant apoia semana da computação da Sociesc

Metdologia Ágil de Desenvolvimento: além dos sprints e post-its: Este será o tema da palestra ministrada pelo Informmant Eduardo Kruger, que irá compartilhar um pouco da sua experiência com desenvolvimento ágil de software.

Outro objetivo da palestra é demonstrar o que estamos fazendo aqui na Informant e quais serão nossos próximos passos em termos de metodologia.

A palestra acontecerá no dia 26/08 na Sociesc em Joinville às 19:00.  A Sociedade Educacional de Santa Catarina-SOCIESC é uma instituição educacional, cultural e tecnológica, presente em Joinville, Blumenau, São Bento do Sul, Balneário Camboriú, Florianópolis, em SC, e Curitiba no PR. Atua no ensino fundamental, fundamental bilíngue, médio, técnico, graduação, pós-graduação lato sensu e stricto sensu, (especializações em MBA e mestrados reconhecidos pela CAPES) cursos de extensão e capacitação empresarial, também atua na modalidade do ensino  a distância.

Para saber mais detalhes sobre o evento acesse:  Semana da Computação Sociesc